sexta-feira, 16 de maio de 2014

In Memoriam - Miguel de Castro

Miguel de Castro faleceu em 2009. Nessa altura, dediquei-lhe o seguinte poema que, hoje, aqui deixo à guisa de homenagem.


ao Miguel de Castro


subamos as escadas mas depressa
não há tempo a perder

rasga-me a carne o relógio
como o arado a terra

vamos depressa
depressa
porque é urgente subir

sabes
como no teu poema
temos vinho e cigarros
e até uns trocos trago na algibeira

se não chegarem para as putas
para que as enganemos noite adentro
e durmamos em verso no bordel
que sirvam para uns caracóis

ou então para as balas da pistola
com que rebentaremos os miolos
aos comedores de croquetes

e há tantos nisto da poesia

e no meio das metáforas
vamos
como escreveste há tanto tempo
morrer, sem glória, em qualquer luta
Enviar um comentário