sábado, 22 de fevereiro de 2014

In Memoriam - Júlio Saraiva

Há um ano, o poeta Júlio Saraiva deixou-nos. Na altura, melhor, um dia após, escrevi o poema que abaixo vos deixo. Uma pequena homenagem a um excelente poeta.


Carta a Júlio Saraiva, in memoriam


camarada soube ontem da partida
de que te foste embora sem aviso
alguém me disse ver-te dentro de um
dos versos do tiago veiga “as
grandes nuvens cingiam-lhe a cintura”
mas não te imaginei sendo qual pássaro
preso às nuvens sequer pousado em ramos
puta de vida ó júlio ser poeta
que nada é e no entanto tudo abarca
não se é pássaro e voa-se mais alto
não se é verme mas sabe-se da terra
puta de vida ó júlio embarcar na
barca e cruzar o letes diz-me coisas
que isto de te ires embora sem avisar
sem ao menos beber um pró caminho
é lixado mas deixa lá que a malta
um destes dias vê-se por aí
Enviar um comentário