terça-feira, 14 de abril de 2015

de "O livro do regresso" - 27 e 28


agora é o ágolo
que leva o peso
dos tempos
das memórias

árvores
gestos vorazes do fogo

qual esponja que na ardósia
apaga o nome
da própria infância

*

escuta

o vento passa célere
rente ao dorso da semente

como se inventasse um caule
o devir de um corpo

a palavra inaugural
do próprio poema

in "O livro do regresso" (Edium Editores, Matosinhos, Portugal, 2008); "Viagem pelos livros" (Escrituras, São Paulo, 2011) - Prémio de Poesia Raul de Carvalho - 2005, organizado pela Câmara Municipal de Alvito
Enviar um comentário