segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

de "Acordes de azul" - 1



O que me resta é tempo. A areia na garganta
da ampulheta presa. Arte de perder
todo o verso, o poema, a poesia
a memória do canto.

O que me resta é escrever
enquanto tempo tenho para percorrer
os recantos da música que há nas palavras
para te deixar um sonho
somente um sonho
e pouco mais.

in "Acordes de azul" (e-book, Virtualbooks, Brasil, 2002)

Enviar um comentário