quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

de "Acordes de azul" - 2

Observo a memória em metástases
constantes. De súbito, des-
conheço o vivido. O real
é também fruto de um sonho
de um momento em que as pálpebras
se descerram
como cortinas que indagam
o sol, o misterioso
sol que na alma habita.

in "Acordes de azul" (e-book, Virtualbooks, Brasil, 2002)

Enviar um comentário