domingo, 4 de janeiro de 2015

de "Divertimento poético" - 16 a 20


Ergo a voz ao doce vento
Para me indicar o caminho
Que no canal do lamento
Não quero passar sozinho

*

Eu quero abrir a janela
E deixar entrar o sol
Que atribui à lua bela
O canto do rouxinol

*

Eu trago um verso comigo
Bem dentro do coração
Partilho-o contigo amigo
Na estrofe de uma canção

*

Foi pela escola da vida
Que aprendi o verbo amar
Poema de asa ferida
Sem vontade de rimar

*

Há um sonho uma criança
Que sorri ao sol nascente
Como quem veste a esperança
Como quem sabe o que sente

in "Divertimento poético ou cinquenta quadras mais ou menos ao gosto popular, seguidas por três, porque três foi a conta que deus fez, redondilhas com gente dentro: Ti Maria, Ti Zé e Dona Alice (e-book, Virtualbooks, Brasil, 2007)
Enviar um comentário