segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

de "Divertimento poético" - 21 a 25


Há uma moura encantada
No ventre do teu olhar
Quando corre a madrugada
Levando ao colo o luar

*

Meu amor é flor ausente
Janela que não tem rosto
Como este sol indolente
De dezembro em pleno agosto

*

Meu amor foi à janela
Quando o sol se foi deitar
Ai quem me dera por ela
Nesse momento passar

*

Meu amor vinha à janela
Sorrir ao me ver passar
Agora ao passar por ela
Só a posso recordar

*

Meu poema meu tesouro
Em quatro versos guardado
Valerás mais que todo o ouro
Se por amor fores cantado

in "Divertimento poético ou cinquenta quadras mais ou menos ao gosto popular, seguidas por três, porque três foi a conta que deus fez, redondilhas com gente dentro: Ti Maria, Ti Zé e Dona Alice (e-book, Virtualbooks, Brasil, 2007)
Enviar um comentário