quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

de "Trinta mais uma odes" - 11


Escutemos o vento quando afaga
A casa onde deixámos nossa infância.
            Sintamos na epiderme
            Da cal, o suave ósculo
Do sol. Em cada imagem reflectida,
Repousemos o pássaro do sonho
            E aprendamos a sílaba
            Inaugural da vida.

Saibamos ser como este rio imenso
Que agora prova o sal do mar azul,
            Que amou o tempo, as margens,
            O fado que lhe deram.
Aos deuses, nada mais ouses pedir.
Também o sol, que tudo vê, resigna-se
            A contemplar o mundo
            No seu lento passar.

in "Trinta mais uma odes" (e-book, Virtualbooks, Brasil, 2007)
Enviar um comentário