quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

de "Trinta mais uma odes" - 25


Pela coorte brota um doce canto
Que os deuses, no mais puro deleite, ouvem.
          Por sentirem a música
          Na tez de cada gesto,
Reabrem os caminhos do desejo,
Acordam o desígnio do fogo,
          A candura das águas,
          A epiderme da terra.
Inventam tudo, espaço para os homens,
E a nossa condição de recriar.
          Resignemo-nos, pois,
          A olhar somente o rio.
Nada do que façamos poderá
Mudar seu rumo: o ensejo de ser mar.

in "Trinta mais uma odes" (e-book, Virtualbooks, Brasil, 2007)
Enviar um comentário