sábado, 27 de dezembro de 2014

de "Trinta mais uma odes" - 27


Serenamente, ouçamos a canção
Do vento quando as suas mãos repousam
Na face do arvoredo.
Repara como a vida
Segue o seu curso. Nada os deuses deram
Por excesso. Há em tudo uma medida
Exacta. Mesmo o vento
Tem destino a cumprir.
A nós, resta o espectáculo da vida.
Contemplemos pois cada instante como
Criança na janela
Vendo um circo passar.

in "Trinta mais uma odes" (e-book, Virtualbooks, Brasil, 2007)
Enviar um comentário