sábado, 22 de novembro de 2014

Prefácio a "Galeria de Afectos", de Maria Antonieta Oliveira



O fio unificador do universo temático na escritura de Maria Antonieta Oliveira, que conheci sob o nickname de Avozita no sítio da Internet, Luso-Poemas, é, sem dúvida, o afecto, entendido este como o gesto que anuncia o afago, o estar presente no momento exacto, o sorriso que é casa aberta para o outro.

Este “Galeria de Afectos” é exactamente isso, um instante de instantes, uma digressão pela memória dos gestos, um Eu que, mesmo quando se descobre em solidão, procura em si mesmo a capacidade de indagar a janela que, como se soía dizer, se abriu algures quando a porta se fecha.

Trata-se de um ciclo onde, sobretudo, três outros ciclos confluem: poemas com destinatário; do foro amoroso; e do seu Alentejo.

Este movimento tríplice convoca-nos para a fruição das palavras vivas com que vai desenhando quase diria história em forma de verso.

Tal como a poetisa, “Abri a janela do mar / libertei-me de tudo” e, roubando o título a Alexandre O’Neill, “De ombro na ombreira” contemplei o nascimento de cada poema ao virar da página.

Fica portanto o convite: encontre e abra a sua “janela do mar” e entre nesta “Galeria de Afectos”.


30 de Janeiro de 2011


in OLIVEIRA, Maria Antonieta - "Galeria de Afectos". Temas Originais. 2011



Enviar um comentário