sexta-feira, 5 de setembro de 2014

de "À beira do silêncio" - 21 a 25


CIFRA

nomeio uma ave ou um rio
mas quero dizer voo e sal
ou o homem e seu desígnio

CORRIXO

Há um canto, um poema,
a memória de um verso
iluminado na voz do tempo.

CRIAÇÃO

o gesto nasce
no respirar
da pedra

DECLARAÇÃO

Declaro:
todos os versos são inúteis
sem que o olhar os ilumine.

DERVISH

a arte de comunicar
a perfeita elipse
o homem como palavra

in "À beira do silêncio (uma centena de experiências em poetrix)" (e-book, Virtualbooks, Brasil, 2006)
Enviar um comentário