terça-feira, 9 de setembro de 2014

de "À beira do silêncio" - 41 a 45


GATO

Sobre a ombreira do tempo,
ou num quadro de Foujita,
dorme o gato da infância.

GERMINAÇÃO

ponto final
parágrafo
o insano ofício de escrever

GESTO

Na lentidão do seu gesto
ergue-se do caos
o próprio corpo do oleiro.

GRILHÕES

Não voes para lá do olhar,
só podes desejar
o que os sentidos te ofertam.

GRITO

A mão cinzela a pedra
gera a boca
que silencia o grito

in "À beira do silêncio (uma centena de experiências em poetrix)" (e-book, Virtualbooks, Brasil, 2006)
Enviar um comentário