domingo, 7 de setembro de 2014

de "À beira do silêncio" - 31 a 35


ESCADA

Desejo de ascese
degrau a degrau
da sombra à luz.

ESCREVO

Escrevo este aflito
não dizer
por que grito.

ESCRIBA

Sob o bailado da trémula
luz da vela, copia, letra a letra,
a letra da memória futura.

ESCULCA

Chove, mas persiste. O mundo
gira, mas fica. Guarda o silêncio
ou talvez um sonho.

ESCULTOR

No olhar, não pedra, mas a
forma, o movimento circular
do cinzel que gera o corpo.

in "À beira do silêncio (uma centena de experiências em poetrix)" (e-book, Virtualbooks, Brasil, 2006)
Enviar um comentário