quarta-feira, 11 de março de 2015

de "Poemas com rosto" - 21 e 22


RUI KNOPFLI


para cada homem
um rio que lhe corresponde

o rui knopfli
trazia o seu na algibeira
junto à fonte dos poemas

não era mondego ou tejo
tamisa ou sena

seu nome era um outro
que não constava na memória
dos literatos

mas guardava-o
no mais suave decote
desenhado entre estrofes

e o observava
no rigor das cãs
que o tempo em si semeara

*

Os músculos e o sangue e os nervos
reaprendem cautelosamente o caminho
que os olhos desvendam no dia claro.

Rui Knopfli

cada dia
é o primeiro dia em que vivemos

a magia das ínfimas coisas
se revela em cada gesto

do botão à rosa
do rio ao mar

cada pedaço do mundo
é um naco de pão

há que prová-lo
para aprender a amá-lo

in "Poemas com rosto" (e-book, Virtualbooks, Brasil, 2007)

Enviar um comentário