quinta-feira, 26 de março de 2015

de "Poemas com rosto" - 51 e 52


XAVIER ZARCO

onde o poema cessa
outro poema
nasce

como se um abraço
se desenhasse em cada braço
que enceta
um movimento circular

*

É nas mãos que nasce o gesto

Xavier Zarco

É nas mãos que nasce o gesto;
onde reside o fogo de criar
na frondosa árvore a caravela.

Sentir, na seiva, a carícia,
o cântico do vento
pelas veias vegetais.

Observar o destino das raízes
e, por elas, aprender
o ofício navegante.

in "Poemas com rosto" (e-book, Virtualbooks, Brasil, 2007)
Enviar um comentário