terça-feira, 3 de março de 2015

de "Poemas com rosto" - 5 e 6


NATÁLIA CORREIA

mátria
flor silvestre que brota
do coração da terra

não há mão
nem humano pensamento
que a faça germinar

nasce pura
como um sol
que teima em regressar à tez do olhar

assim é teu verbo
rebelde e genuíno
matricial

*

ó subalimentados do sonho! 
a poesia é para comer.

Natália Correia

senta-te nesta mesa onde o poema
como a vingança
frio se serve

sabes bem que um verso come-se
e partilha-se
não se guarda

guardar é esquecer
porque um armário na memória
é um túmulo um sarcófago

e não há arqueólogos de versos
a decifrar as entranhas
da alma desabitada pelo sonho

assim senta-te nesta mesa e sê
a boca onde a voz surge
com asas de poesia

in "Poemas com rosto" (e-book, Virtualbooks, Brasil, 2007)
Enviar um comentário