sábado, 21 de março de 2015

de "Poemas com rosto" - 41 e 42


GIUSEPPE UNGARETTI

pode o mundo ser este mosaico
que se despede
lentamente de um olhar

podem estas palavras
serem as ruínas
de um poema jamais lido

mas o mundo e as palavras
com que erguemos o poema
somos nós

assim
aprende e crê
não há fim mas recomeço

*

M’illumino
d'immenso.

Giuseppe Ungaretti

as palavras entoam os acordes
do gesto debruçado sobre a terra

há um varandim preso ao decifrar
do segredo dos dedos em carícia

e uma pena suspensa sobre o mar
iluminando a face do poema

in "Poemas com rosto" (e-book, Virtualbooks, Brasil, 2007)

Enviar um comentário